VoIP poupança da faculdade chorudas

Faculdades e universidades estão adotando telefonia via Internet como forma de melhorar a comunicação e economizar dinheiro, relata News.com.

Telcos; Chorus anuncia banda larga gigabit velocidades em toda Nova Zelândia; Telcos; Telstra, Ericsson, Qualcomm atingir velocidades agregadas 1Gbps em teste ao vivo rede 4G; Telcos; Samsung e T-Mobile colaborar em ensaios 5G; Nuvem; Michael Dell em fechar negócio EMC: “podemos pensar em décadas

Arthur Gloster recentemente tomou posse como CIO da Universidade de Bryant e transformou sistema de telefone antiquainted da faculdade para o segundo mais com fio universidade em os EUA, de acordo com a Princeton Review. A universidade convertido para Voice over Internet Protocol, ou VoIP, equipamentos da Cisco Systems, incluindo cerca de 2.700 telefones baseados em IP para seus alunos e eliminou a despesa de operar várias redes de voz e dados. O sistema integra a tecnologia de modo que o material pode ser acessado a partir de dormitórios e salas de aula. Todas as operações, até mesmo o sistema de aquecimento, é operado a partir de uma única rede.

Cisco, líder de mercado na engrenagem VoIP, já vendeu milhões de telefones à medida que mais e mais empresas converter para telefonia via Internet. Apesar de menos de 5 por cento da base de telefones comerciais utilizados no mundo, são baseados em VoIP, a tecnologia pode ter atingido um ponto de inflexão.

As empresas estão sempre a olhar para fora maneiras de cortar custos e melhorar a produtividade, como uma aplicação que incorpora diretórios corporativos para o telefone, de modo que qualquer pessoa pode procurar nomes e disque-los ao mesmo tempo. Outro aplicativo rastreia a localização física de trabalhadores, juntamente com o dispositivo que está usando a qualquer momento.

Chorus anuncia banda larga gigabit velocidades em toda Nova Zelândia

Telstra, Ericsson, Qualcomm atingir velocidades agregadas 1Gbps em teste ao vivo rede 4G

Samsung e T-Mobile colaborar em ensaios 5G

Michael Dell em fechar negócio EMC: “Podemos pensar em décadas ‘